Categoria

Blog

The Next Frontier – Exploring Insurance for NFTs

Por | Blog

A Non-Fungible Token (NFT) is a digital asset that signifies ownership or proof of the validity of a special item, work of art, photograph, or digital collectable. Unlike fungible (interchangeable) digital assets, such as Bitcoin and Ethereum, NFTs are unique. That means they cannot be traded one for the other, as each NFT has its own unique independent value.

consulte Mais informação

The Rise of AI: Risks, Rewards, and the Need for AI Insurance

Por | Blog

As large language models like ChatGPT e LLaMa democratise AI usage, the risks associated with increasingly potent AI models should not be ignored. Imagine businesses relying on biased AI or unstable models – the potential financial and reputational damage could be significant.

AI Guarantee Insurance

Enter AI Guarantee Insurance, a product designed for the age of artificial intelligence. In a world powered by easily trainable models like LoRa, where an AI ‘arms race’ looms and sophisticated phishing attacks threaten, this innovative insurance will offer protection against a range of AI-related risks. From performance failures and unfair outputs to legal disputes and even cyberattacks, AI Guarantee Insurance provides comprehensive coverage to mitigate the risks from AI.

Here are some examples:

      • Performance Guarantee Insurance: Safeguards against losses from underperforming AI systems, protecting businesses from inaccurate insurance quotes or failed marketing campaigns, ensuring financial security for those relying on AI-driven processes.
      • Business Interruption Insurance: Covers financial losses in the event of AI-induced disruptions to business operations. As AI becomes more prevalent across all industries and sectors, it is crucial to provide protection against such interruptions.
      • Fairness and Non-Discrimination Insurance: Offers financial security against lawsuits arising from biased AI outputs. With the increasing focus on ethical AI practices, businesses must protect themselves from legal action related to discrimination or unfair practices resulting from AI decision-making.
      • Intellectual Property Insurance: Provides defence against intellectual property infringement claims specifically related to AI models. As AI technology evolves, intellectual property disputes and consequent legal actions are likely to increase.

Who needs AI insurance?

Those requiring AI insurance span a diverse range of industries and needs. For example:

      • Insurtech Pioneers: Start-ups using AI algorithms for personalised insurance and dynamic risk assessments need protection against performance failures, biased outputs, and potential legal challenges arising from unfair pricing or coverage decisions.
      • AI-Powered Customer Service: Insurance agencies and brokers using AI-powered chatbots and virtual assistants face risks such as data breaches, misinformation, and discrimination. AI insurance mitigates these threats, ensuring customer trust and regulatory compliance.
      • Frontline Healthcare: Healthcare organisations deploying AI for diagnosis, treatment plans, and drug discovery require protection against inaccurate diagnoses, biased algorithms, and potential privacy violations. AI insurance offers peace of mind for organisations and patients.
      • Autonomous Vehicles: Developers and manufacturers of autonomous vehicles face immense liability concerns. AI insurance covers accidents, malfunctions, and even hacking attempts, safeguarding companies from financial ruin and protecting passengers.
      • AI-enabled Supply Chains: Companies using AI for demand forecasting and logistics optimisation need insurance against inaccurate predictions, leading to production bottlenecks or inventory losses. AI insurance ensures business continuity and minimises financial setbacks.
      • Developers Shaping the Future: Technology companies creating AI systems also require protection against data breaches, cyberattacks, and intellectual property theft. AI insurance provides vital defence against these threats, securing the developers’ valuable IP and fostering innovation with confidence.
      • Manufacturing in the AI Age: Manufacturing companies relying on AI-controlled production face risks like equipment malfunction, production errors, and even biased AI decisions impacting output. AI insurance safeguards against these potential disruptions, ensuring smooth operations and product quality.
      • Regtech Innovators: Employing AI algorithms for regulatory compliance and risk management require safeguards against operational deficiencies, biased outputs, and potential legal repercussions stemming from regulatory violations or compliance failures.

Parametric Insurance

Imagine an insurance policy triggered by a tremor, not a claim, where instant payouts hinge on pre-defined parameters like earthquake intensity or rainfall levels. That’s the magic of parametric insurance, powered by AI crunching real-time data from satellites, weather gauges, and even blockchain-powered sensors that pinpoint parametric triggers with laser accuracy.

For instance, Swiss Re’s parametric Flight Delay Compensation uses an AI model that predicts flight delays, enabling instant payouts to customers without the need for complex claims processes. Another example is the World Food Programme (WFP), which partners with Munich Re to provide parametric insurance for farmers in Africa. Based on rainfall data, payouts are triggered during droughts, protecting farmers’ livelihoods and preventing food insecurity. Hiveminds’ parametric solution, on the other hand, provides insurance for energy production from solar panels. Payouts are based on actual energy output, providing financial security for solar energy investors in case of underperformance.

Harnessing AI within Insurance

The insurance industry is also using AI, deploying it internally in the following areas:

      • Claims Processing: AI automates payments for straightforward claims, categorises and prioritises requests, differentiates plausible claims from potentially fraudulent ones, and interprets and assesses damages more efficiently.
      • Pricing and Underwriting: AI enhances decision-making through automated data gathering, enrichment, and storage. This includes personalised pricing models (parametric and otherwise) and improved competitor analysis, using sensitive factors for more predictive pricing.
      • Document Interrogation: AI-powered natural language processing facilitates document interrogation, allowing comparison of claims documents with policy wording to determine coverage, supporting compliance checks and streamlining document-related tasks like cover verification.
      • Marketing and Customer Communications: AI personalises customer interactions, automates reports and communications, enables chatbots, content creation, customer sentiment analysis, and generation of marketing materials.
      • Parametric AI Risk Cover: This innovative approach relies on pre-defined parameters (e.g., earthquake intensity) to trigger instant payouts in case of specific events, simplifying the claims process.

Progress and protection

Innovators like Lemonade e FloodFlash reflect the evolution of AI in insurance, and many other companies are now pushing the boundaries for insurtech. Lemonade uses AI to streamline claims through automation and machine learning, while FloodFlash provides instant, parametric payouts for specific events like floods based on parameters such as a water level surpassing an agreed threshold.

It is only by continuous testing and refining that we will maximise the benefits of AI while minimising the risks. Structuring insurance for AI risks is particularly challenging. As Michael Berger, head of Insure AI at Munich Re, says: ‘In principle, every AI system, including every generative AI system, is a probabilistic system. It is technically unavoidable that even if you build the most perfect AI or generative AI model, there will always be a certain probability that the AI will make mistakes.’

There are already many well-documented cases of AI going wrong. For example, Google’s Gemini chatbot generated racially inaccurate historical images, including people of colour depicted as Nazi soldiers, while an Amazon AI-enabled recruitment tool only recommended male candidates, forcing Amazon to scrap the ‘sexist AI’ tool. Additionally, Amazon’s facial recognition software mistakenly identified 28 members of Congress as criminals, highlighting inherent biases within the system.

The need for protection will grow as new use cases are developed and AI increasingly impacts our everyday lives. AI Guarantee Insurance and parametric AI risk cover will help to ensure we balance progress with protection.

For more information and advice on risk management, entre em contato com a equipe Elmore.

Network downtime insurance: A parametric solution

Por | Blog

Network downtime insurance provides coverage for financial losses and other negative impacts following an unexpected interruption to a third-party supplier’s network services. Downtime may be caused by power outages, natural disasters, equipment failure, or any other event that prevents a service from running normally.

Digital transformation means there is now a high dependence on suppliers’ technology infrastructures such as the cloud services to support business activities. While technology is a boon for business efficiency, a network failure is a serious operational risk – especially for businesses that rely on continuous availability, such as retail, healthcare, and professional & financial services and manufacturing.

Even a single hour of downtime can have a huge financial impact. According to recent research from the Uptime Institute, the number of outages costing over US$100,000 has soared in recent years, and over 60% of failures result in at least US$100,000 in total losses. Moreover, a 2022 report from Information Technology Intelligence Consulting (ITIC) puts the hourly cost of downtime at more than US$300,000 for 91% of SMEs and large enterprises.

Network downtime insurance

The cloud is now the backbone of many businesses and is certain to become even more important with the relentless growth of digital services via the internet. Network downtime insurance is a parametric solution to protect businesses from losses arising from network service providers, such as Amazon, Google and Microsoft.

Large businesses usually depend on more than one cloud platform, which means they are less vulnerable than businesses that run on a single vendor’s platform and have highly competitive, time-sensitive models. For these businesses, network downtime insurance can be invaluable, particularly given the growing complexity of networks.

Service interruptions at cloud providers such as Amazon Web Services, Google Cloud, and Microsoft Azure, can be hugely damaging. For example, the major outage at AWS in 2021 affected millions of users and disrupted everything from Netflix to fast-food delivery. Given the potential financial impact of an outage, insurers are challenged to quantify the business risks. A client’s loss is an opportunity cost, so how do you calculate a precise figure? Because traditional measures don’t apply, normal loss-based indemnity won’t work, so for a policy to cover network downtime, insurers must use alternative risk parameters.

With parametric insurance, the cover is triggered when the insured’s cloud is down for a period specified in the policy, subject to a time-based deductible and possibly an indemnity per hour, which can simplify the claims process. This approach could be used to monitor cloud downtime, which can shut down e-commerce worldwide.

A network downtime monitoring agent – rather than the insured – would inform the insured and the relevant risk carriers when the policy was triggered, resulting in a swifter claims service. Policyholders would need only confirm that they have suffered a business loss.

Cybers insurance versus network downtime insurance

Although standard cyber insurance covers cloud downtime due to security failure, operational failure, or system failure of the insured’s own operations, it typically does not cover downtime due to non-malicious cyber events at a third-party network service provider.

Most of the carriers that Elmore works with offer business interruption payments actioned by a cyber security incident, however the business has to be affected for a period (depending on the policy) ​​ranging from 8-24 hours or more.

In contrast, parametric solutions are designed to pay after just one hour and so are a useful supplement to cyber insurance policies, where business disruption provisions are triggered only after a longer period.

Like other parametric insurance products, network downtime insurance is based on pre-defined parameters – hence the name ‘parametric’ – and there is no need to negotiate losses or file claims for damages.

Bridging the protection gap

Parametric downtime cover is a valuable way to bridge the protection gap, as cyber insurance is not a blanket solution and a business can be left exposed when normal operations are interrupted by third-party non-malicious cyber incidents. In addition, with the growing reliance on cloud technology, there is even more need to seek adequate cover, particularly for businesses that depend on continuous service.

To understand your downtime risks, speak to an Elmore Cyber Client Executive. We provide insurance reviews to assess your current coverage, whether for cyberattacks or downtime threats from non-malicious third-party events, and will advise on the best insurance for your needs. Contact us today.

Seguro cibernético ativo para risco autônomo

Por | Blog

À medida que a inteligência artificial (IA) aumenta, as seguradoras cibernéticas devem adotar novas tecnologias para combater a ameaça de software malicioso (malware) cada vez mais ativo que explora pontos fracos na rede de uma empresa. O malware está em constante evolução e o surgimento de modelos maliciosos de IA, como CaosGPT sublinha a ameaça dos maus intervenientes autónomos e, potencialmente, a necessidade de uma segurança da informação autónoma. 

Como as seguradoras cibernéticas registaram um aumento significativo nos sinistros nos últimos anos, exigem agora que os seus segurados empreguem uma monitorização contínua do risco.

O surgimento do seguro cibernético ativo

Embora os controles aprimorados tenham ajudado a proteger as empresas contra hackers, resiliência cibernética esteve em grande parte nas mãos do segurado durante o período da apólice. Muitas vezes, as seguradoras não tiveram conhecimento do perfil de risco dos seus segurados até a renovação da apólice ou a apresentação de uma reclamação. 

É aqui que entra o conceito de seguradora cibernética “ativa” – para aumentar a consciencialização sobre os riscos cibernéticos e incutir as melhores práticas – com as seguradoras a utilizar mecanismos de defesa cibernética autónomos e ativos para combater ambientes de risco em rápida mudança. 

Com seu Cibermática solução, a AIG foi uma das primeiras empresas a adotar insights de segurança cibernética em tempo real e análises personalizadas. Uma abordagem semelhante foi adotada por Coalizão Risco Solutions Ltd, que fornece aos segurados perfis personalizados do risco digital contínuo de uma empresa. 

Tais organizações são essencialmente insurtechs com diferentes propostas de seguros ativos. Por exemplo, Subscrição CFC, um player de longo prazo no mercado de seguros cibernéticos, se autodenomina um 'proativo euseguradora», embora tenha entrado recentemente no mercado do Reino Unido, Campainha, oferece uma abordagem “adaptativa”. O objetivo principal dessas seguradoras é ajudar a melhorar os níveis de maturidade de segurança de uma empresa por meio de uma abordagem de subscrição baseada em tecnologia. No momento em que este artigo foi escrito, outros participantes estavam chegando ao mercado com novas soluções ativas de seguro cibernético. 

Mais do que apenas uma política 

Estão desaparecendo rapidamente os dias em que uma apólice de seguro é a única oferta de uma seguradora cibernética, pois esta não reconhece as complexidades do risco cibernético e a necessidade de os riscos serem ativamente gerenciou.

O seguro ativo tem três componentes principais: 

  • Proteção ativa/proativa – a prestação de monitorização durante a vigência da apólice e alertar os segurados sobre vulnerabilidades críticas antes que possam impactar o negócio.
  • Avaliação de risco ativa – uma pesquisa de risco cibernético é parte integrante da avaliação de subscrição, e um relatório típico destacará questões críticas e aquelas que não são tão importantes, mas que, se abordadas, melhorariam a higiene cibernética do negócio. Algumas seguradoras oferecem um “painel” onde os segurados podem acessar a tecnologia das seguradoras para lidar com vulnerabilidades e outras áreas que necessitam de melhorias. 
  • Serviço de resposta a incidentes – As seguradoras fornecem um serviço de resposta a incidentes 24 horas por dia, 7 dias por semana, para ajudar os segurados a gerenciar um ataque cibernético. Consiste em um painel de especialistas que oferece assistência especializada, incluindo serviços jurídicos, forenses e consultoria de relações públicas. Um incidente cibernético pode desenvolver-se muito rapidamente e é essencial que a ajuda esteja imediatamente disponível.

Benefícios adicionais agora geralmente incluem programas de treinamento como ataques de phishing simulados e acordos com parceiros que podem fornecer soluções de segurança cibernética com tarifas reduzidas.

Vulnerabilidades das PME 

Este setor empresarial é particularmente vulnerável a ataques cibernéticos, uma vez que as PME podem ter recursos financeiros e técnicos limitados para construir uma resiliência cibernética significativa. Uma seguradora que possa ajudar a construir resiliência é, portanto, inestimável à medida que a economia digital e as ameaças relacionadas crescem. 

Aumentando a conscientização com Elmore 

Os dados mostram que o seguro ativo pode mitigar e prevenir ataques cibernéticos, reduzindo os índices de perdas de forma mais eficaz do que o seguro cibernético convencional. Isto permite que as seguradoras ofereçam prémios proporcionais aos melhores perfis de risco e continuem a fornecer uma ampla cobertura de apólices.

À medida que os riscos cibernéticos aumentam, o papel da seguradora ativa é vital. Com o rápido desenvolvimento da IA e de novas variedades de ransomware, a gestão ativa do risco cibernético será essencial para todas as empresas.  

Na Elmore estamos empenhados em aumentar a consciencialização sobre os riscos cibernéticos e incentivar boas práticas. Para saber mais sobre nossos serviços de gerenciamento de risco e abordagem ativa, Entre em contato conosco agora

Como os eventos de explosão solar impactam o seguro cibernético

Por | Blog

O Agência Espacial Europeia define uma explosão solar como 'uma tremenda explosão no Sol que acontece quando a energia armazenada em campos magnéticos distorcidos (geralmente acima das manchas solares) é repentinamente liberada'. Na Terra, uma explosão solar poderia ter um impacto devastador nas redes eléctricas e causar danos generalizados como resultado de riscos interligados.

Embora tenha havido pouca modelização dos riscos e experiência de perdas mínimas, a investigação científica está agora a criar uma melhor compreensão do fenómeno, sublinhando a gravidade da ameaça e a necessidade de estar preparado para eventos de explosões solares. Por exemplo, o Cenário da Tempestade Solar Helios, um relatório publicado pela O Centro de Cambridge para Estudos de Risco, fornece um cenário de catástrofe para o colapso do sistema energético em todo os EUA após uma explosão solar. Além disso, o Evento Carrington, uma tempestade solar em 1859, proporcionou uma demonstração real da ameaça às infra-estruturas críticas – e isto numa época sem a tecnologia e os sistemas de energia que hoje estariam em risco.

Contando o custo

O relatório Helios Solar Storm Scenario destaca a exposição ao risco em vários choques sistémicos e serve como um teste de esforço para gestores e decisores políticos. Três cenários diferentes exploraram distribuições de danos e períodos de restauração, com perdas da indústria de seguros dos EUA estimadas entre US$55 mil milhões e US$333,7 mil milhões. Esta faixa, no limite inferior, é aproximadamente o dobro dos pagamentos de seguros para grandes desastres naturais, como o furacão Katrina e a supertempestade Sandy.

O cenário da tempestade solar Helios imagina danos diretos e indiretos que resultam em cortes de energia, reclamações de seguros e perdas económicas. Estima-se que as perturbações da cadeia de abastecimento global se situem entre $0,5 e $2,7 biliões, enquanto o impacto no PIB global se situa entre $140 mil milhões e US$613 mil milhões. O relatório propõe três variantes de cenário (S1, S2 e X1) para capturar diferentes níveis de danos e tempos de restauração, enfatizando a incerteza em torno dos impactos climáticos espaciais extremos.

Os limites do seguro cibernético

Normalmente, as apólices de seguro cibernético não excluem especificamente eventos climáticos espaciais (ainda); no entanto, existe uma exclusão mais geral e abrangente para falhas de infra-estruturas. Nomeadamente:

“Falha elétrica, incluindo qualquer interrupção de energia elétrica, surto, queda de energia ou apagão.”

Uma apólice de seguro cibernético também pode excluir eventos climáticos espaciais de forma mais direta, como segue:

“Campos eletromagnéticos, radiação, terremoto, vendaval ou outro perigo natural ou qualquer poluição ou suposta ou ameaça de descarga, dispersão, infiltração, liberação ou escape de poluentes ou contaminação de qualquer tipo.”

Observe que as apólices de seguro cibernético geralmente cobrem apenas danos não físicos decorrentes de um evento cibernético. Portanto, a interrupção das receitas, a perda de lucros e o aumento dos custos de trabalho como resultado de um grande evento climático espacial serão provavelmente excluídos. No entanto, poderá ser possível solicitar alguma cobertura se a infraestrutura afetada pela organização pertencer e for operada pelo tomador do seguro e não por terceiros.

Dado que a probabilidade de um evento climático espacial severo é semelhante à de uma pandemia global, é um risco que não deve ser ignorado. É vital compreender o impacto potencial de um evento extremo, como uma explosão solar, e as estratégias que podem ser implementadas para minimizar o impacto nas operações da rede, bem como na cobertura da apólice de seguro.

Para obter mais informações e entender como sua carteira de seguros pode ser impactada por um evento climático espacial, entre em contato com o ElmoreCyberTeam@elmorebrokers.com.

Alinhando os termos de serviço de tecnologia com as disposições do seguro de responsabilidade civil profissional

Por | Blog

Os provedores de serviços profissionais de tecnologia e SaaS enfrentam riscos ao realizar e implementar seus
fornecimento de serviços, incluindo riscos de segurança, riscos de conformidade, riscos de fornecedores e, o mais importante,
risco de execução. Uma maneira pela qual uma empresa pode gerenciar as consequências caso esses riscos se materializem é ter uma visão clara
termos de serviço/contrato de serviço principal com seu cliente.

A primeira linha de defesa
As empresas de tecnologia normalmente são encarregadas de gerenciar, acessar e proteger dados confidenciais
e ativos digitais. Como tal, podem enfrentar desafios à medida que a digitalização aumenta e os maus actores
tornar-se mais adepto da exploração de vulnerabilidades. Ter termos de serviço rígidos é a primeira linha de
defesa, eles não apenas estabelecem as regras de engajamento, mas também servem como uma estrutura legal para
mitigar uma variedade de riscos.

O seguro de responsabilidade civil profissional (PII) é uma rede de segurança adicional que oferece proteção financeira
contra quando os termos de serviço são frustrados como resultado de erros, omissões ou negligência no
fornecimento de produtos de tecnologia e serviços profissionais. A interação entre os termos padrão de
serviço e a alteração dos termos e condições da apólice de seguro são fundamentais para gerenciar riscos e
ter a cobertura de apólice necessária em vigor.

O diabo está nos detalhes.
Muitas redações de políticas de PII de tecnologia incluem cláusulas que podem ser amplamente interpretadas como excluindo
cobertura para determinados tipos de responsabilidades. Para tais políticas, existem alguns termos-chave que devem ser
considerado em relação ao contrato de serviço de uma empresa com seus clientes:

1. Condições precedentes de responsabilidade – caso existam na apólice quaisquer condições desta natureza,
eles podem exigir que o segurado cumpra certas obrigações onerosas para ser elegível para
cobrir. Aceitar disposições de responsabilidade alinhadas com os serviços prestados é crucial para garantir
que a cobertura fornecida pelas PII não se torne inadvertidamente ineficaz.

2. Exclusões para alguns tipos de responsabilidade – podem existir lacunas entre a responsabilidade a ser
aceitos no contrato de prestação de serviços e os tipos de responsabilidades indenizadas no PII
redação da política. É importante analisar as exclusões de PII para garantir que elas não
contradiz seus termos de serviço.

3. Restrições de notificação em contrato – nos casos em que o seguro de PII ou acompanhante
seguro cibernético têm requisitos de notificação rigorosos, eles podem entrar em conflito com os termos de
serviço. Isto pode impedir a notificação em conformidade com os requisitos da política.

4. Força maior – casos fortuitos costumam ser bastante amplos nos contratos; no entanto, um conjunto mais restrito de
cenários podem estar presentes na política de PII, possivelmente permitindo um escopo mais amplo no contrato.

5. Disputas – normalmente acionarão uma notificação às seguradoras de PII se permanecerem sem solução,
e geralmente haverá um mecanismo em uma política de PII para lidar com disputas. É importante
garantir o alinhamento com os mecanismos oferecidos nos termos de serviço.

Informações de especialistas
A relação entre os termos de serviço de uma empresa de tecnologia e as disposições de responsabilidade de PII deve
nunca seja subestimado ou esquecido. Exige uma abordagem proativa e colaborativa, onde

especialistas jurídicos elaboram termos de referência que não apenas refletem a natureza dos serviços, mas também alinham
perfeitamente com a proteção oferecida pelas PII.
À medida que o cenário tecnológico continua a evoluir, as empresas devem prestar muita atenção aos potenciais
problemas de alinhamento e garantir que eles não fiquem aquém ao combinar os termos de serviço com o PPI
disposições.

Para obter mais informações e conselhos sobre o gerenciamento de riscos de segurança da informação, entre em contato com a equipe Elmore.

A nova lei de mídia – acompanhando o ritmo da tecnologia

Por | Blog

No final de março deste ano, o Departamento de Cultura, Mídia e Esporte do Governo do Reino Unido publicou seu Projeto de lei de mídia, que atualiza o quadro jurídico da indústria dos meios de comunicação social. A reforma tem sido discutida há algum tempo e é uma conquista significativa chegar a esta fase. Parte do projeto de lei sobre a mídia foi ouvida no Parlamento do Reino Unido pela primeira vez em julho, com o restante previsto para o final deste ano.

A transformação digital é vista como o principal motor do projeto de lei, uma vez que a tecnologia avança a um ritmo acelerado e a legislação deve acompanhar a inovação. O acesso e a procura dos meios de comunicação social são maiores do que nunca e, como a economia a pedido exige conteúdos multimédia em qualquer lugar, a qualquer hora, precisamos das permissões certas e da tecnologia certa.

O Projeto de Lei da Mídia é um documento extenso e as principais áreas estão resumidas abaixo:

  • Televisão de serviço público

Introduzir uma nova missão de “serviço público” para as emissoras de serviço público do Reino Unido: BBC, ITV, STV, Channel 4, S4C e Channel 5. As emissoras tradicionais como estas estão lutando para manter os níveis de audiência e espera-se que uma nova missão irá ajudá-los a preservar os índices de audiência e, em alguns casos, aumentá-los.

  • Destaque em serviços de seleção de televisão

Reformar as regras de “proeminência” para que os telespectadores possam localizar mais facilmente os canais de serviço público nas plataformas de TV online. As atuais regras de destaque determinam que a emissora de serviço público deve figurar nas cinco primeiras vagas dos guias eletrônicos de programação dos aparelhos de TV. No entanto, estas regras não se estendem à TV e a outras interfaces de utilizador em plataformas de TV online.

  • Contente

O foco é o Canal 4 e tem como objetivo remover as restrições que impedem o canal de produzir conteúdo. O Canal 4 permanecerá propriedade pública com o objectivo de aumentar a sua flexibilidade comercial e construir uma presença fora de Londres.

  • Serviços do programa sob demanda

Atualmente, o Ofcom não tem poder sobre vídeo sob demanda (VOD), portanto, um código será introduzido para proteger o público de qualquer material prejudicial e para introduzir maior responsabilização. Além disso, o objetivo é ajudar a melhorar a acessibilidade pública aos serviços de vídeo sob demanda (VOD).

  • Regulamento de Rádio e Serviços de Seleção de Rádio

Incentive o envolvimento com a indústria do rádio para obter uma melhor compreensão das políticas e práticas das plataformas de alto-falantes inteligentes, como as oferecidas pela Amazon. Além disso, ajudar a manter o número de ouvintes nas estações de rádio, com acesso gratuito a todas as estações de rádio licenciadas no Reino Unido, independentemente do tamanho.

Comentário de Elmore

A Lei dos Meios de Comunicação Social é uma reforma significativa que irá abalar a indústria dos meios de comunicação social do Reino Unido e modernizá-la para proteger alguns dos principais serviços de meios de comunicação social há muito estabelecidos. Também incentivará o desenvolvimento e o crescimento de meios de comunicação novos e existentes sob um regime regulatório mais flexível.

O seguro de responsabilidade civil de mídia é uma forma especializada de seguro que oferece cobertura para áreas como difamação, privacidade e violação de infrações. Isto baseia-se geralmente numa ampla base de responsabilidade civil no Reino Unido e, portanto, esperaríamos que a cobertura da política respondesse aos novos riscos dos meios de comunicação social que possam surgir após a implementação deste projecto de lei quando este eventualmente se tornar lei. Dito isto, as seguradoras manterão, sem dúvida, uma vigilância para gerir quaisquer riscos novos e emergentes, tendo em conta os riscos na sua avaliação de classificação do prémio e nos termos e condições sob os quais a cobertura da apólice é concedida.

Não mencione a guerra cibernética…

Por | Blog

Ataques do Estado-nação

O mercado de seguros cibernéticos está cada vez mais preocupado com o impacto dos ataques cibernéticos dos Estados-nação. A atividade cibernética durante a guerra na Ucrânia destacou este risco e o que poderia acontecer se um ataque cibernético aumentasse. O ataque de dia zero do NotPetya em 2017 foi outro aviso. Embora destinado a objectivos de infra-estruturas na Ucrânia, as empresas foram afectadas em todo o mundo.

À medida que os ataques cibernéticos evoluem e se espalham, as seguradoras estão bem conscientes da necessidade de gerir este tipo de risco e garantir a sustentabilidade a longo prazo do mercado de seguros cibernéticos.

Ação do Lloyd's

O Lloyd's de Londres tem sido proativo na abordagem desta exposição e o grupo de trabalho da guerra cibernética da Lloyd's Market Association (LMA) emitiu cláusulas atualizadas de guerra cibernética, que entrou em vigor em 31 de março de 2023. Devem ser implementados em apólices de seguro cibernético independentes subscritas pelos Agentes Gerentes do Lloyd's.

Novas cláusulas modelo de guerra cibernética

Embora o objetivo principal seja proporcionar clareza tanto para as seguradoras quanto para os segurados, existem duas versões. Compreensivelmente, isso atraiu críticas.

Versão A é onde a atribuição do ataque cibernético é claramente declarada: “ao determinar a atribuição de uma operação cibernética a um estado, o segurado e a seguradora considerarão as evidências objetivamente razoáveis que estão disponíveis para eles”.

Versão B é onde não há acordo sobre como uma operação cibernética é atribuída a um Estado-nação para determinar se as exclusões funcionam. Para isso, o Lloyd's exigirá provas de um mecanismo que foi acordado com os segurados caso a caso.

As cláusulas 'A' podem ser resumidas da seguinte forma:

1. LMA5564A: Esta é uma exclusão geral para quaisquer perdas ocorridas ou em consequência de guerra ou operação cibernética.

2. LMA5565A: Coloca sublimites específicos para pagamentos de sinistros em caso de operações cibernéticas. Isto, no entanto, também exclui absolutamente as operações lançadas em guerra, em retaliação por estados específicos, ou que causam grandes impactos prejudiciais ao funcionamento de um estado.

3. LMA5566A: Conforme LMA5565A (2 acima), mas não há sublimites especificados para pagamento de sinistros.

4. LMA5567A: De acordo com a LMA 3, mas permite a cobertura relativamente a “ativos adjacentes” (ou seja, aqueles que podem ser afetados por uma operação cibernética, mas não os visados) resultantes de operações cibernéticas que causam grandes impactos prejudiciais ao funcionamento de um estado.

Instantâneo das cláusulas 'A' da guerra cibernética

Aprendizado

• As seguradoras Lloyd's podem usar variações de redação das cláusulas NMA e, portanto, é importante que essas cláusulas sejam revisadas durante a contratação de uma apólice de seguro cibernético.
• Para evitar disputas durante a liquidação de sinistros, novas definições como “Operações Cibernéticas”, “Grande Impacto Prejudicial” e “Serviços Essenciais” devem ser claras.
• Deve ser dada atenção à forma como a atribuição é obtida e que os segurados compreendem este processo.

Fora do mercado de seguros cibernéticos do Lloyd's, estamos vendo outras seguradoras cibernéticas líderes adotarem suas próprias cláusulas usando uma terminologia diferente que foi orientada por suas resseguradoras. Também vemos seguradoras que ainda não impuseram novas cláusulas de guerra cibernética. O mercado, portanto, não chegou a um consenso sobre esta importante questão.